quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Sambas do Absurdo no projeto Brasis no Paiol

Projeto de Juçara Marçal, Rodrigo Campos e Gui Amabis é inspirado no livro de Albert Camus.



Juçara Marçal, Rodrigo Campos e Gui Amabis lançam no Teatro do Paiol o projeto inspirado no O Mito do Sísifo, de Albert Camus, Sambas do Absurdo. No show, o trio apresenta, além dos oito sambas que compõem o disco, outras canções que de alguma forma também contemplam o Absurdo. O espetáculo é dia 26 de outubro, às 20h e os ingressos custam entre R$20 e R$40.


Os Sambas do Absurdo, parcerias de Rodrigo Campos (música) e Nuno Ramos (letra), narram o encontro com o Absurdo, apresentado no livro como o divórcio do indivíduo com a própria a vida. Segundo Camus, a única questão filosófica que importa é o suicídio, e quando encontramos o Absurdo, que seria, em suma, a falta de sentido da vida, temos duas opções: ou nos suicidamos ou aprendemos a viver uma vida absurda.

A proposta estética do disco tem no cerne a quebra de alguns alicerces do samba, enquanto gênero. Essa quebra oferece, consequentemente, um samba obscuro, dissolvido, vertiginoso, pisamos num terreno pantanoso, e talvez essa sensação se pareça mesmo com o Absurdo. Juçara canta, Rodrigo toca violão e cavaco e Gui arranja, fazendo valer seus recursos de produtor e sua maneira peculiar de samplear.










Agenda Brasis no Paiol

6/11 - Hurtmold, 20 anos de carreira.
07/12 - Badi Assad lança "Volta ao Mundo em 80 Artistas".

Sobre o projeto
Brasis no Paiol é uma iniciativa das produtoras Santa Produção e Fineza Comunicação & Cultura, em um parceria iniciada em 2012. Alguns nomes que já passaram pelo palco do Brasis: Rael, Karol Conka (com Emicida e Kamau), Metá Metá, Juçara Marçal, Pélico, Romulo Froes, Katia B, Ná Ozzetti, Passo Torto, Rico Dalasam, Trupe Chá de Boldo, Graveola, Alzira E, Fióti, Saulo Duarte e a Unidade, Patricia Bastos & Dante Ozzetti, Bianca Gismonti, Macaco Bong, Felipe Cordeiro, entre outros.  Em 2018, o projeto conta com o apoio da Prefeitura Municipal de Curitiba, Fundação Cultural de Curitiba, Joaquim Livros & Discos, A Caiçara, Effex Tecnologia e Criação e Cliteriosa Comunicação. O projeto gráfico é de Jaime Silveira.

SERVIÇO
Sambas do Absurdo
Data: 26 de outubro, sexta-feira
Hora: 20h
Local: Teatro do Paiol - Praça Guido Viaro, s/n - Prado Velho.
Ingressos: R$20 e R$40.
Pontos de venda: bilheteria do teatro, Livraria Joaquim e A Caiçara.
Mais informações no evento: https://www.facebook.com/events/686626445031767

Ouça Sambas do Absurdo
Spotify: https://spoti.fi/2PeutMh
Youtube: https://youtu.be/HE8kW3TmoKg





segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Qinho canta Marina Lima no projeto Brasis no Paiol

Lemoskine e Uyara Torrente fazem participações especiais no show



Qinho desembarca pela primeira vez em Curitiba com um de seus trabalhos solos. O show “Qinho canta Marina” é resultado do sucesso do seu EP homônimo lançado em 2017, onde o artista interpreta os quatro hits: "Fullgás", "Uma Noite e Meia", "Criança" e "Charme do Mundo". Em 2018 ele acrescenta mais seis de Marina Lima, escolhidas a dedo e com aval da compositora e cai na estrada para cantar o resultado. A apresentação é dia 6 de outubro, às 20h, no Teatro do Paiol, e conta com a participação especial da banda curitibana Lemoskine e da vocalista d’A Banda Mais Bonita da Cidade, Uyara Torrente. Os ingressos custam R$ 30 e R$ 15. 

A ideia do álbum surgiu após sua participação no projeto “Romance”, um tributo à compositora realizado em 2014, no qual eles dividiram o palco. “A minha maior preocupação sempre foi preservar a beleza original dessas canções. Então, os arranjos poderiam até ficar diferentes, numa onda mais contemporânea, mas desde que conseguíssemos realçar as canções, colocando-as em destaque”, explica o artista. 

Marina Lima, por sua vez, retribui e endossa: “A releitura que Qinho faz de meu repertório me deixa emocionada. Ele e sua banda escalam ótimas canções pro jogo, oferecendo uma sonoridade própria que mantêm as músicas atraentes. Isso sem falar na sua voz. É o melhor cantor que existe no Brasil no momento, se apropria das canções sem nunca trair o sentimento original que embuti nelas”.

Aos 34 anos o cantor e compositor já colaborou com grandes artistas da música popular brasileira, como Luiz Melodia, Fernanda Abreu, Adriana Calcanhotto, Jards Macalé e Martnália, entre outros. Na cena independente esteve ao lado de Mahmundi, Castello Branco, Tulipa Ruiz, Marcelo Jeneci, Letuce e B Negão.
Em 2009, seguiu carreira solo, lançando “Canduras”. Em 2012 divulgou seu segundo disco solo “O tempo soa” com as participações de Mart’nália, Elba Ramalho, Botika e Amora Pêra. Seu terceiro álbum, “Ímpar” já soma mais de 40 mil downloads na rede. Para o álbum mais recente de Fernanda Abreu, “Amor Geral”, Qinho produziu uma faixa e é parceiro em outras duas.




Agenda Brasis no Paiol
26/10 - Sambas do Absurdo com Juçara Marçal, Gui Amabis e Rodrigo Campos.
6/11 - Hurtmold, 20 anos de carreira.
07/12 - Badi Assad lança "Volta ao Mundo em 80 Artistas".

Sobre o Brasis
Brasis no Paiol é uma iniciativa das produtoras Santa Produção e Fineza Comunicação & Cultura, em um parceria iniciada em 2012. Alguns nomes que já passaram pelo palco do Brasis: Rael, Karol Conka (com Emicida e Kamau), Metá Metá, Juçara Marçal, Pélico, Romulo Froes, Katia B, Ná Ozzetti, Passo Torto, Rico Dalasam, Trupe Chá de Boldo, Graveola, Alzira E, Fióti, Saulo Duarte e a Unidade, Patricia Bastos & Dante Ozzetti, Bianca Gismonti, Macaco Bong, Felipe Cordeiro, entre outros.  Em 2018, o projeto conta com o apoio da Prefeitura Municipal de Curitiba, Fundação Cultural de Curitiba, Joaquim Livros & Discos, A Caiçara, Effex Tecnologia e Criação e Cliteriosa Comunicação. O projeto gráfico é de Jaime Silveira.

SERVIÇO
Qinho canta Marina
Data: 6 de outubro, sábado
Hora: 20h
Local: Teatro do Paiol - Praça Guido Viaro, s/n - Prado Velho.
Ingressos: R$15 e R$30.
Pontos de venda: bilheteria do teatro, Livraria Joaquim e A Caiçara.
Mais informações no evento.




Guardiãs do Tempo chega ao Teatro Regina Vogue


De forma lúdica e poética, peça infantil reflete sobre temas como morte e saudade.

Márcia Kohatsu
Na véspera do dia das crianças, 11 de outubro, às apresentações de Guardiãs do Tempo, peça infantil escrita e dirigida por Mariana Zanette, estão de volta. O espetáculo multimídia conta a história de Menine, uma criança que perdeu o pai muito pequena e se sente abandonada pela mãe que precisa trabalhar em um domingo. A apresentação mistura música ao vivo, teatro e circo e aborda temas como morte e saudade, de forma poética e lúdica, reforçando a necessidade de valorizarmos o presente. As peça fica em cartaz até o dia 28 de outubro. O valor dos ingressos é R$10 e R$20.

A inspiração para criar o enredo do espetáculo veio de um sonho da filha de Mariana Zanette. “A Luma me contou que foi parar em um lugar onde só existiam mulheres e que elas cuidavam de vários relógios. A partir daí eu fui inventando a história”, explica a diretora, que também atua na peça como Ampulheta. As irmãs e atrizes mirins Luma e Malu Zanette Domingues, interpretam e intercalam o papel de menine nos espetáculos. “Ter uma criança na peça torna a história mais crível para outras crianças”, reforça a Mariana.

Também  fazem parte do elenco a bailarina, atriz e artista circense, Marina Prado; a cantora, instrumentista, bonequeira e responsável pela preparação vocal do elenco, Doriane Conceição e a instrumentista e palhaça, Marcela Zanette. Bina Zanette assina a direção de produção do espetáculo.

Márcia Kohatsu
ENREDO
Menine literalmente mergulha na tristeza quando sua mãe sai para trabalhar em pleno fim de semana. Suas lágrimas formam um rio muito fundo. Por sorte, um barco aparece e a leva até a caverna das lamentações, onde um portal se abre, transportando-a para um mundo mágico. Nesse universo paralelo, humanos com cabeças de pássaros cuidam de um enorme relógio. Lá ela conhece as Guardiãs do Tempo, seres míticos que preservam a história da civilização, e faz amizade com Ampulheta. Após algumas horas desbravando o local e brincando, Menine precisa voltar para casa antes da mãe chegar, mas não sabe como. Aí começa sua busca por autoconhecimento. 

A peça teatral usa projeções para transportar o público para o universo paralelo da Menine. As canções envolvem e incentivam crianças e adultos a participarem do espetáculo que também conta com bonecos.
Márcia Kohatsu

SERVIÇO
Espetáculo Infantil Guardiãs do Tempo
Data: 11/10, às 9h e 14h30 e 12,13, 14, 20, 21, 27 e 28/10, às 16h.
Local: Teatro Regina Vogue - Av. Sete de Setembro, 2775 - Rebouças
Ingresso: R$10 e R$20.

FICHA TÉCNICA

Elenco 
Menine: Malu Zanette Domingues e Luma Zanette Domingues
Ampulheta: Mariana Zanette
Segundo, Guardiã do Futuro e Saira: Marina Prado
Minuto, Cuuco e  Khonsu: Marcela Zanette.
Senhora Hora e Guardiã do Passsado: Doriane Conceição
participação especial em vídeo : Anderson Faganello

Direção e texto: Mariana Zanette
argumento: Luma Zanette Domingues
assistente de direção : Fernando Cardoso
Cenários: Aorelio Domingues
Cenotécnicos : Gilvam Santo Amaro e  Aorelio Domingues
Figurino: Cristine Conde
Costura: Augusta Zanette
Adereços – Bonecos: Lili Sarraf
Maquiagem : Lilian Marcchiori
Sonoplastia e Direção Musical : Marcela Zanette
Iluminação: Wagner Côrrea
Video Designer : Anderson Faganello e Mariana Zanette
Produção com escolas: Marcio Roberto Gonçalves
assistente de produção e captação de recursos: Itamar Paciornick
Direção de Produção : Bina Zanette

------------------------------------------------

Espetáculo realizado através do Programa de apoio Incentivo a Cultura da Fundação Cultural de Curitiba, Mecenato Subsidiado de Curitiba. Incentivo Pátio Batel e apoio do Centro Cultural Boqueirão, Associação de Cultura Popular Mandicuera Realização, A Fantástica Cia de Teatro e Santa Produção Ltda.