segunda-feira, 25 de junho de 2018

Itaercio Rocha lança álbum com mais de 10 ritmos populares

por Dayana Luiza.

O multiartista Itaercio Rocha lança seu segundo álbum solo, Caboclo. Com arte de Kiko Dinucci, o disco estará disponível nas plataformas de streaming a partir do dia 27 de junho, no mesmo dia do show realizado  em São Luís do Maranhão, durante o aniversário de Dona Teté, cantora, compositora e grande artista maranhense e Rainha do Cacuriá, amiga de Ita desde os anos de 1980, quando trabalharam juntos com cultura popular, e para quem foi dedicada a faixa ‘Almericiar’. Quem baixar o disco ganhará duas faixas bônus.

O projeto nasce de dentro para fora, como diz Ita, do interior para a capital. “É a junção do Itaercio de Pedras com a cabrocha que coloco no carnaval curitibano”, explica ele que foi um dos fundadores do bloco carnavalesco Garibaldis e Sacis Caboclo Ita é uma entidade dos terreiros de mina no Maranhão, Ita significa pedra em tupi guarani. Itaercio nasceu em Pedras, como citado acima, localizada no município de Humberto de Campos no Maranhão. Somando isso ao Rocha de seu sobrenome, Itaercio é pedra três vezes. “Sou caboclão do mato, da beira d’água, sou caiçara”. 


Arte de Kiko Dinucci. 

As canções narram os lugares por onde Itaercio Rocha passou. “Origem não é uma coisa que você volta. Origem é uma coisa que você carrega”, ressalta. As músicas fazem homenagens, saúdam forças da natureza e representam sua ancestralidade. Esse é o caso de ‘Atotô’, uma louvação a Obaluaê, composta em parceria com o músico, André Abujamra. “Hora de maré” é um samba de abertura de trabalhos, enquanto “Ele me ama” é um carimbó brega que fala sobre amizade e diversidade.

O disco agrega mais de 10 ritmos em suas 14 faixas. Tem caixa do Divino Espírito Santo, tambor de mina, bumba bois de vários sotaques, afoxé, entre outros. As músicas são de Itaercio e alguns parceiros: Thayana Barbosa, Daniel Fernandes, Du Gomide, André Abujamra e Matheus Braga e os arranjos são de Fred Pedrosa, Du Gomide, Matheus Braga e o Próprio Itaercio. “A seleção é um pouco do que compus para teatro, carnaval e outras inspirações.

A direção musical é do curitibano Du Gomide, também produtor do disco ‘Ailum’ do Marano, Santa Rima e Karla Silva. A mixagem ficou nas mãos do produtor musical Fred Teixeira, que já trabalhou com artistas como Tony Bennett, Ron Carter, Hermeto Pascoal, Zélia Duncan, Arnaldo Antunes e Zeca Baleiro, entre outros.

por Dayana Luiza.

Trajetória

Nascido no município com o maior bumba-meu-boi do Brasil, Humberto de Campos, no Maranhão, Itaercio Rocha já morou em Olinda (PE), São Luís (MA), Campo Grande (MS), Rio de Janeiro (RJ) e Maringá (PR) antes de parar em Curitiba, no ano de 1996. O interesse pelas culturas populares vem de berço: desde pequeno, recebeu influências culturais da família, como seu pai, músico prático, que tocava nas procissões, nos bumba-bois e nos bailes do interior; e sua mãe que fazia e regia a festa de coroação da Nossa Senhora e pastoris, além de participar de outras festividades populares e religiosas.

É formado em Educação Artística com habilitação em Artes Cênicas, pelas Faculdades de Artes do Paraná (FAP) e é especialista em Estudos Contemporâneos em Dança, pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), por meio da Faculdade Angel Vianna (FAV).

Atuou e dirigiu espetáculos junto ao grupo Mundaréu, com o qual gravou vários álbuns. Em 2006 lançou seu primeiro disco solo e autoral, Chegadim. É autor do Livro/CD “Como é bom festa junina III”, em parceria com Mara Fontoura, com quem ainda escreveu o livro “Como diz o ditado”. Tendo o Hospital Pequeno Príncipe como entidade beneficiada, o músico lançou os álbuns Cancioneiro popular (2009) e Encanto de brincar (2013) e dirigiu os espetáculos Encanto de Brincar e Bumbando na Congada. Em 2017 lançou o show “Por Consolação”, onde interpreta clássicos da música popular brasileira.

por Dayana Luiza.


Caboclo por Itaercio Rocha

Meu pai era CABOCLO, minha mãe era CABOCLA!
Somos parte de um povo queimado de sol, que sabe andar pelas matas e reconhecer os bichos, as folhas, as raízes, os frutos e as flores e que compreende o universo como parte de si mesmo e sabe que a pedra, o vento, o sol, a lua, a terra e os seres todos constituem as forças que comandam e são a vida.

CABOCLO, minhas entidades, identidades, meus sonhos e sons!
CABOCLO, sou eu, minhas canções, meus amores!!
CABOCLO É MEU SHOW e CD!!

Ficha técnica

Direção musical: Du Gomide
Direção cênica: Rafael Camargo
Produção musical: Du Gomide e Itaercio Rocha
Produção Executiva: Bina Zanette/ Santa Produção
Mixagem e masterização: Fred Teixeira
Gravação: Nicos Studio
Itaercio Rocha - , voz, violão, percussão..
Denis Mariano - Bateria, percussão, surdo.
Bruno Klammer - Percussão.
Fred Pedrosa - baixo, viola.
Matheus Braga - Violão, voz, cavaco.
Du Gomide - Viola, rabeca, beat, guitarra, ukulele, teclado.
Lauro Ribeiro - sousafone, trombone.
Ian Giller Branco - Steel Drum.
Coro: Du Gomide, Melina Mulazani, Matheus Braga, Vinicius Azevedo e Thayana Barbosa
Arte: Kiko Dinucci
Fotos: Dayana Luiza

Curta no facebook: /itaercioorocha
Siga no instagram: @rochaitaercio
Ouça o single “Ele Me Ama”


Projeto realizado com apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura - Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba. Incentivo Pátio Batel.



quarta-feira, 9 de maio de 2018

Projeto Boa Sorte no Espaço Fantástico!


Projeto Boa Sorte - O Musical desembarca trata do universo dos portadores do HIV, levando informação, cultura e arte para jovens e adultos. O projeto existe desde 2015 e a turnê 2018 já passou por São Paulo, Brasília, Porto Alegre e propõe uma ocupação do teatro: haverá um bate-papo com o diretor, ator e youtuber Gabriel Estrela ao final do musical e o Grupo Dignidade estará presente antes e depois das apresentações distribuindo materiais informativos e explicando sobre o seu grupo de apoio.

Com repertório de canções da MPB, Boa Sorte traz o relato autobiográfico de um jovem que se descobriu portador do vírus da Aids aos 18 anos. Em cena, o rapaz repensa seus relacionamentos com amigos, família, namorado e médicos depois do diagnóstico, sempre acompanhado de música ao vivo.

GABRIEL ESTRELA
O ator e diretor de teatro goiano Gabriel Estrela iniciou sua carreira como ator em Brasília, tendo atuado em musicais para o público adulto e infantil. Colaborou com a websérie “Eu só quero amar”, da Rede Globo, sobre casais sorodiferentes, numa mistura de documentário e ficção, para aproximar ainda mais o público jovem do tema. Também deu consultoria para a produção da novela teen "Malhação" em 2016. A experiência, de misturar entretenimento com informação o levou a Nova York para participar de uma Reunião de Alto Nível sobre o fim da epidemia da Aids na Sede da ONU (Organização das Nações Unidas). Em 2013, Gabriel criou e dirigiu a primeira versão do espetáculo, que foi reencenado em 2015 marcando o início do Projeto Boa Sorte. No mesmo ano, criou o canal de mesmo nome no Youtube, que rendeu dois vídeos com a youtuber Jout Jout Prazer falando sobre preconceito, cotidiano e saúde, atingindo mais de 800 mil visualizações. Em 2017, o canal ganhou o Prêmio YouPix Creators Pitch.

ELENCO
O musical conta com o jovem elenco formado por Lola Portela, Mariana Sancar, Gabriel Neves, Mauro Silva e Thiago Catellani, além de banda formada por Bianca Paysan (violão), Fernando Bastos (piano e direção musical) e Marília Nóbrega (violoncelo). 

SERVIÇO
Boa Sorte: O Musical
Data e hora: 24 de maio às 10h e 20h e 25 de maio às 15h e 20h.
Local: Espaço Fantástico das Artes - Alameda Princesa Izabel, 465 - São Francisco.
Ingressos: Entrada Gratuita.

Vozes de outras cidades apresenta Ian Ramil!